"No mundo atual é necessário que inventamos nosso próprio estilo de vida e nos responsabilizarmos por ele - o processo de análise é uma via possível para percorrer esse caminho."

Jéssica Magalhães

SOBRE O PROCESSO DE ANÁLISE 

Geralmente as pessoas têm algumas curiosidades sobre como é fazer análise e me fazem as seguintes perguntas:

1-Análise é pra gente doida?


De fato o processo de análise contribui significativamente para quem está em momentos de sofrimento psíquico emocional muito intenso, como por exemplo, pessoas  em estado de crise de ansiedade, depressão, ataque do pânico, crise de entre outros. 
Porém, como todo ser humano temos nossos “buracos negros”. A análise é importante com o suporte, torná-los conhecidos para perceber o que eles induzem nas nossas decisões e assim apostar em algo novo e se responsabilizar por isso.
Decidir fazer análise sinaliza grande potencial de saúde psíquica e emocional.

2- Tenho medo de descobrir algo que eu não gosto em mim

Durante o processo de  análise podemos nos deparar com alguns atos, sentimentos e pensamentos que consideramos inaceitáveis.
Entretanto, ao encontrar essas questões que julgamos “intoleráveis” podemos constatar que é possível conviver com elas, e mais, que podemos nos posicionar diate delas de uma nova forma sempre ao traze-las na fala.

3- Não tenho tempo e nem dinheiro para fazer análise

 

Considerar somente a correria do dia a dia e a quantidade de despesas que precisamos cumprir podemos alegar para nós mesmo, que não temos tempo e tampouco dinheiro para custear o processo de análise.
Na realidade, por trás desses argumentos, existe certo menosprezo dos nossos próprios sentimentos, julgando outras coisas como sendo mais importante do que a minha própria forma de viver. 
Quando nos colocamos como prioridade, certamente essas duas variáveis (tempo e dinheiro) se torna muito relativa.


4-Fazer análise demora muitos anos
 

Fazer análise demanda comprometimento.
Todavia, por ser um processo completamente individualizado para cada pessoa em específico, varia de pessoa para pessoa, certamente o que conduzirá a duração do processo de análise é o investimento que daremos para vivenciar esse momento.


5-Não preciso de psicanalista. Se não souber o que fazer, peço conselhos a meus amigos
 

Ter amigos para conversar e trocar experiências, realmente nos conforta em momentos difíceis. Porém quem irá tomar a decisão de cumprir e se haver com a conseqüência do conselho dado pelo amigo ou não somos nós. 
O papel do psicanalista é disponibilizar o espaço propício para escutar o que trazemos na fala e a partir disso nos sentiremos mais entusiasmados e responsáveis para fazermos a nossa própria escolha e tomar decisões mais próxima com a nossa realidade.

O mais importante é não nos limitarmos a conceitos que tolhe a oportunidade de usufruirmos os benefícios da análise, seja em momentos de grande sofrimento emocional ou em situações que queremos nos fortalecer.

Todos os direitos reservados para Dra. Jéssica Magalhães de Paula